quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Cartas de fora para dentro - carta 2



Quando pequena achava que só se nascia uma vez, mas quando cresci descobri que temos muitas vidas em uma. Que é preciso subtrair o peso de tempos em tempos, deixar cair sobre terra os sonhos tão bonitos de outrora, mas que já não fazem sentido porque já somos outro. São muitos partos,descontinuidade, aprendizado, abrigo, loucura, verdade. Escolhas que agregam renúncias. Renúncias que deixam vazio. Vazios que são preenchidos do novo, de novo e de novo. Recomeço que não cessa, vida plural, que tem parto sem avisar, nos transforma a todo momento, trazendo inovação, mudança de sentimento. E mesmo sem entender, os processos se dão, expandindo nosso caminhar. Refletindo em nossa vida as mudanças que chegam sem avisar.
E de repente se percebe que a vontade de ir, era só fuga, e que ficar é a real liberdade. Permanecer começou a ser o verdadeiro resgate.
A fuga já não é necessária, porque os pensamentos são outros, porque toda a reviravolta trouxe renascimento, novas escolhas, novos momentos.
Algo novo está para nascer, me sinto em meio a um novo parto. Renovando sonhos, limpando a poeira de velhas crenças. Deixando as asas mais coloridas e leves. Seguindo o ritmo das batidas do coração, preparando nova conexão.
Meire Oliveira

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Cartas de fora para dentro - carta 1



Já errei, briguei. Fui embora, mas voltei. Disse adeus, fui despedida, fui início. Fui temor e coragem.
Já me pisei, me embalei, me enamorei. Fui largada e terminei. Fui e nunca mais voltei. Muitas vezes transbordei, outras exagerei.
Já pirracei, briguei, esperneei.
A vida me virou do avesso e eu descobri o lado certo, aquele carregado de afeto.
Plantei a muda, reguei o olhar sobre a semente, que brota onde minha atenção vigora.
Aprendi que desaprender é a parte mais desafiadora das lições da vida. Por vezes doce, em outras dolorida.
Descobri na ilusão da perda a viver o agora, não guardar o sentimento que aflora.
Virei gente grande e intensa. Não sei ser metade, quando a vida me pede pra ser inteira.
Aprendi a gostar de amarelo e deixar de gostar de muitas coisas. Abraço cada processo que vivo, mergulho sem medo pra renascer das cinzas com mais poesia no olhar e confiança em meu próprio caminhar.
Sou fera, sou bela. Sou mansa, inquieta. Sou energia que pulsa em movimento. Adoro batom vermelho, meditar na beira da praia e me entregar em tudo o que faço, de corpo e alma inteiros.
Meire Oliveira

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Experienciar para poder conectar




É preciso sentir, é preciso pulsar. É preciso viver, experienciar.
A vida implora a necessidade do mergulho em cada processo. Porque a cura só é manifestada a partir desse mergulho. É nele que o renascimento pode surgir e renovar nossas asas.
Nada é bom ou ruim, quem faz esse julgamento é a mente. Nossa essência precisa da experiência para aprender as lições necessárias. Experienciar é necessário, por isso o Divino nos prepara a cada dia, em cada situação. Mesmo quando não entendemos nada, ou não sabemos lidar com o que está. Porque nada é, tudo está. Inclusive nós.
A vida nos brinda a cada dia. Nos reserva alegria, nos enfeita de amorosidade, se a gente souber olhar através da claridade do nosso coração. Se a gente souber enxergar além do que estamos vendo. Com os olhos de dentro, com o sentir atento.
Mesmo quando tempo aperta o peito, nos carrega de medo. Ele não faz feio, ele não nos quer perfeito. Quer a nossa palpitação, que a gente aprenda a abraçar a vida com total paixão.
Então é importante que a gente se permita gritar, chorar e viver cada processo. É preciso pulsar cada momento para estar completo no momento presente, onde poderemos mudar as sementes, rumar para novos caminhos e abraçar de corpo e alma o recomeço que vem depois de cada tropeço.

Abençoado seja cada renascimento!

Meire Oliveira


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

A missão dada por Deus a cada signo

“Era manhã quando Deus parou diante de suas 12 crianças e em cada uma delas plantou a semente da vida Humana.
Uma por uma, elas se dirigiram a Ele para receber seu dom e conhecer a sua missão”.


ARIES, venha cá…
“Para ti, Aries, dou a primeira semente, para que tenhas a honra de plantá-la.
Para cada semente que plantares, mais outro milhão de sementes se multiplicará em suas mãos.
Não terás tempo de ver a semente crescer, pois tudo o que plantares criará cada vez mais e mais para ser plantado.
Tu serás o primeiro a penetrar o solo da mente humana levando Minha Idéia. Mas não cabe a ti alimentar e cuidar desta idéia, nem questioná-la.Tua vida é ação, e a única ação que te atribuo é a de dar o passo inicial para tornar os homens conscientes da Criação.
Por este trabalho, Eu te concedo a virtude do Respeito por Si Mesmo.’
E para que faças um bom trabalho, dou-te a provação do orgulho para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da INICIATIVA.”
E Aries, silenciosamente, voltou ao seu lugar.


TOURO, venha cá…
“A ti, Touro, concedo o poder de transformar a semente em substância.
Trabalharás com afinco e paciência para que as sementes não se percam ao vento.
Não questionarás ou mudarás de ideia até que termines tudo que já foi iniciado, pois a ti compete o processo de concretização da Minha Ideia.
E para que realizes um bom trabalho, dou-te a provação do apego para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da FORÇA.
Trata de usá-la sabiamente!”
E Touro voltou ao seu lugar.

GÊMEOS, venha cá…
“A ti, Gêmeos, atribuo a tarefa de comunicar ao mundo Minha idéia.
Por isso te dou perguntas sem respostas.
Em tua busca pelo conhecimento, inquietarás os que estão ao teu redor, para que compreendam o que vêem e o que ouvem.
Tu serás um, mas pensarás e falarás por dois.
E para que faças um bom trabalho, dou-te a provação da superficialidade para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da INTELIGÊNCIA.
E Gêmeos voltou ao seu lugar.


CÂNCER, venha cá…
“A ti, Câncer, dou a missão de implantar no coração do homem a emoção.
Minha Idéia se fará sentir por meio de risos e lágrimas, para que todo o conhecimento adquirido atinja plenitude interior.
Tu multiplicarás os sentimentos com teu instinto de preservação, de modo que os homens se reunam em famílias.
Para que realizes um bom trabalho, dou-te a provação da fragilidade para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da FERTILIDADE.”
E Câncer voltou ao seu lugar.
LEÃO, venha cá…
“A ti, Leão, atribuo a tarefa de mostrar ao mundo o esplendor de minha Criação.
Tu iluminarás os corações humanos com Minha Luz, acendendo em cada um o entusiasmo de assumir a própria existência.
Mas peço-te que não confundas as coisas e lembra-te que é Minha a Idéia, e não tua.
Para que faças um bom trabalho, dou-te a provação da vaidade para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da HONRA.”
E Leão voltou ao seu lugar.

VIRGEM, venha cá…
“A ti, Virgem, dou a missão de examinar em detalhes o que os homens têm feito com Minha Criação.
Tu analisarás seus passos e revelarás seus erros para que, por intermédio de ti, Minha Idéia mantenha-se pura e possa ser aperfeiçoada.
Para realizares um bom trabalho, dou-te a provação da ceticismo para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da DISCERNIMENTO.
E Virgem retornou ao seu lugar.


LIBRA, venha cá…
“A ti, Libra, dou a missão de unir os homens em torno da Minha Idéia.
Tu despertarás o desejo da cooperação, por meio da capacidade de se colocar no lugar do outro e então sentir o que o outro sente.
Estarás onde houver desavença, para que possas mostrar o valor do acordo e da justiça.
E para que faças um bom trabalho, dou-te a provação da indolência para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da PAZ.”
E Libra voltou ao seu lugar.



ESCORPIÃO, venha cá…
“A ti, Escorpião, peço que não te afastes de mim quando doer em teu coração as maldades que presenciares.
Terás a capacidade de penetrar na mente dos homens e, conhecendo-a, perceberás que não sou Eu, mas a perversão da Minha ideia que está causando tua dor.
Chegarás a conhecer o homem em seu instinto animal e lutarás contra o próprio dentro de ti.
Para que faças um bom trabalho, dou-te a provação do extremismo para dominares e, como bênção, concedo-te o dom do RENASCIMENTO.”
E Escorpião retornou ao seu lugar.
SAGITÁRIO, venha cá…
“A ti, Sagitário, atribuo a missão de ensinar o riso e esperança, para que no meio das incompreensões da Minha Criação o homem não se torne amargo.
Através da esperança, implantarás no coração humano a fé e através da fé voltarás teus olhos para Mim.
Expandirás assim Minha Idéia por todos os cantos e os mais longínquos lugares.
E para que realizes um bom trabalho, dou-te a provação da intolerância para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da GENEROSIDADE.”
E Sagitário retornou ao seu lugar.

CAPRICÓRNIO, venha cá…
“A ti, Capricórnio, dou a tarefa de mostrar com o suor de teu rosto o valor do trabalho.
Fincarás com disciplina os alicerces de Minha Criação, para que nada destrua suas bases.
E tua alegria pelo dever cumprido ensinará que a responsabilidade não é um fardo e sim uma condição natural.
E para que faças um bom trabalho, dou-te a provação da culpa para dominares e, como bênção, concedo-te o dom da AUTORIDADE.”
E Capricórnio voltou ao seu lugar.

AQUÁRIO, venha cá…
“A ti, Aquário, dou a missão de abrir os olhos dos homens para novas possibilidades.
Por isso terás o conceito do futuro e do amor fraternal.
Sentirás a solidão dos que vivem à frente do seu tempo, pois não lhe permito personalizar Meu Amor.
Viverás livre para que possas servir à humanidade renovando a Minha Criação.
Para que faças um bom trabalho, dou-te a provação da rebeldia para dominares e, como bênção, concedo-te o dom do PROGRESSO.”
E Aquário retornou ao seu lugar.



PEIXES, venha cá…
“A ti Peixes, não foi a toa que te deixei por ultimo, pois te dou a mais difícil de todas as tarefas.
Peço-te que reunas todas as tristezas dos homens e as tragas de volta para Mim.
Tuas lágrimas serão, no fundo, minhas lágrimas.
A tristeza e o padecimento que terás de absorver são os efeitos das distorções impostas pelo homem à Minha Idéia, mas cabe a ti levar até ele a compaixão, para que possa tentar de novo.
Será tua a missão de amparar e encorajar a todos teus irmãos, fazendo-os acreditar que eles são capazes, e sempre podem tentar novamente.
Por esta tarefa, Eu te concedo o Dom mais alto de todos: tu serás o único de Meus doze filhos que me Compreenderás.
Mas este Dom do ENTENDIMENTO é só para ti, Peixes, pois quando tentares difundi-lo entre os homens eles seguirão e poucos te escutarão”
E entre todos, Peixes, foi o único que retornou ao seu lugar sorrindo carinhosamente para cada um dos seus onze irmãos, sabendo que cada um deles agora tinha se tornado parte da vida dele. Naquele momento ele já amava a cada um deles profundamente. E agradeceu a Deus tanta honra por missão tão difícil!


Então Deus completou:
“Cada um de vós é perfeito, mas não compreendereis isto até que vós doze sejais UM Agora vão!”
E as doze crianças foram embora executar sua tarefa da melhor maneira.
(Autor Martin Schulman, livro “Karmic Astrology: the Moon’s Nodes and Reincarnation”, em 1977.)

sábado, 23 de setembro de 2017

A vida me ama, eu já desconfiava



O rumo eu perdi.
As regras esqueci.
A luz apaguei,
no escuro eu fiquei.
A vida jogou pro alto,
tudo o que eu tinha
como seguro, isso é fato.
Hoje aprendi a brincar
com as asas da liberdade.
Me tirei das correntes
sem medo da verdade.
Aprendi a voar, solta e
leve. Aprendi também
a acolher o peso quando breve.
Já não me culpo pelo que não foi,
sou o que pulso aqui, no hoje.
Não temo a vida, porque sei que
ela me ama de todas as maneiras,
que me quer plena, inteira.
Tenho urgência de viver, planto
minhas sementes e respiro meu
próprio florescer. Já não tenho
tanta pressa, pois sei que a cada passo
há um aprendizado necessário.
E aprendi a acender minha luz
quando tudo se torna escuridão.
Confio no amor que a vida tem por mim,
sei que a cada processo ela me dá
muitos milagres divinos.
E como eu já desconfiava, a vida tirou
de mim tudo o que na verdade me limitava.
Levou pra longe e trouxe pra perto tudo
o que me eleva e transborda.
Para tudo isso aprendi a escancarar a minha porta.
Diante de tudo o que vivi até aqui, nada foi em vão,
nada foi pro meu mal, foi o amor imenso que me cercava.
O fato é que a vida me ama, e eu já desconfiava.

Meire Oliveira

sábado, 16 de setembro de 2017

Eu te convido a sentir


Hoje eu vim te convidar para fechar mais os olhos. E quando digo fechar mais os olhos é para internalizar mais, para sentir mais. E dar um tempo de tantas buscas, de tantas racionalizações que você faz.
Olha para você, coloca a mão no seu coração, te sente. O que está acontecendo dentro de você agora? O que você precisa? O que você quer? O que seu sentir diz? Mas não ouve o que ele diz com palavras, ouve o que ele diz no pulsar. O que palpita em ti, o que você quer seguir, que é o seu caminho?
E quando você fecha os olhos, você está saindo desse mundo e entrando no seu mundo. Se conectando com esse espaço de silêncio, se conectando com esse espaço de “não sei”. De desconhecido. Porque tem muito para você descobrir ainda. Mas simplesmente sinta. Se permita apenas SER. Permita que as coisas fluam, porque muitas vezes você vai seguindo a rotina e se esquece de parar, se esquece de parar, de que tem um mundo dentro de ti que é importante e precisa da sua atenção. E muitas vezes puxa o seu tapete e você cai, que é para te fazer olhar pra ele. Muitas vezes traz alguma doença, que é para você olhar para os seus padrões, olhar pra dentro.
Feche mais olhos, olhe mais para você. Aprenda a sentir. É daí que vem a sua intuição: do sentir. Aprenda a se conectar mais com ele, a ouvir seus sussurros sem palavra alguma, mas com muita vibração.
Olha para dentro e sorria, é lá que você pode conseguir sua maior sintonia.
Meire Oliveira

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Resgates necessários





Os passos que você dá para se resgatar, são os passos que você dá para se cuidar.Os passos que você dá para se perder, são os passos que você dá na contramão do próprio coração. E se machuca, e pisa em cima das próprias necessidades e sentires.Existem momentos em que a gente precisa se  resgatar, se distanciar de tudo, para se conectar com o próprio mundo.

Se deitar no templo interno, abrir as janelas para arejar a alma. Serenar as batidas aceleradas do coração descompassado. Realinhar o centro. Deitar no silêncio profundo, descobrir a beleza do mudo. Do sentir que respira lento, intenso. Que pulsa, impulsa, clareia, trepida, escurece, amanhece, anoitece, floresce.

A vida implora por ruptura. O coração carece de tempo, e o tempo para ele é prece. Que lapida, que compreende e aprende. Que permite o crescimento, o encantamento e transbordamento.

Porque há um bocado de magia mesmo em meio as transformações. No mergulho de cada fim, o recomeço espera para o abraço do novo início.

Deixa chover, deixa molhar. Deixa ir o que for preciso e permanecer o que tem que ficar. Deixa a metamorfose se conectar.


Meire Oliveira


Cartas de fora para dentro - carta 2

Quando pequena achava que só se nascia uma vez, mas quando cresci descobri que temos muitas vidas em uma. Que é preciso subtrair o p...